Mesmo com toda a inovação em torno da capacidade masiva das redes óticas, bastante ágil e rápida, que vem acontecendo na última década, e que incluem características como o ajuste ótico coherente, reconfigurações flexíveis ROADMs e o plano de controle multi-layer, ainda assim podemos dizer que as redes óticas são contruídas do mesmo jeito de sempre.

As redes óticas de hoje ainda são predominantemente rígidas e estáticas. Elas são projetadas desde o início para atender o melhor plano para o pior cenário: Os piores casos da A à Z de exigências de capacidade, SLAs no pior dos casos, condições do sistema de preenchimento no pior cenário e por aí vai.

É claro que isto cria ineficiências significativas e desperdício de recursos em redes óticas, devido à probabilidade de subutilizar o equipamento e raramente usar toda a capacidade.  Porém, se você subestimar a demanda corre o risco de não poder acomodar picos de tráfego e de ter que lidar com longas e complexas implementações não planejadas.

Até hoje, as operadoras se limitaram a trabalhar dessa forma porque carecem de dados da rede em tempo real, das ferramentas adequadas de análise e software, e da visibilidade de que precisam para fazer as coisas de forma diferente. Elas precisam implementar um tipo de abordagem "defina e esqueça" porque é manualmente intensivo e complexo fazer mudanças nos comprimentos de onda implementados ao longo da vida da rede.

O principal recurso do Liquid Spectrum é o minning e o uso da margem disponível do sistema - uma variável que muda ao longo da vida da rede - para ganhar capacidade ótica sob demanda, alcance melhorado para um canal específico ou maior disponibilidade de serviços.

Hoje, entramos em um novo mundo com a introdução da Ciena do Liquid Spectrum, que muda a maneira como as redes óticas são projetadas, operadas e rentabilizadas.  O principal recurso do Liquid Spectrum é o minning e o uso da margem disponível do sistema - uma variável que muda ao longo da vida da rede - para ganhar capacidade ótica sob demanda, alcance melhorado para um canal específico ou maior disponibilidade de serviços.

O Liquid Spectrum combina um hardware altamente instrumentado e programável com aplicativos avançados de software para ajudar as operadoras a aproveitar ao máximo a sua rede, escalar de forma massiva com o menor custo por bit e rentabilizar completamente seus recursos de rede - usando APIs e interfaces padrão para atender aos requisitos de arquitetura aberta e acessível dos clientes.

Liquid Spectrum: Um quebra-cabeça completado ao longo de anos de trabalho

Embora hoje estejamos apresentando o Liquid Spectrum, este conceito de uma rede ótica programável e definida por software é aquele que vimos construindo há vários anos. Na verdade, muitas das principais inovações de produtos e tecnologias que apresentamos ao longo dos últimos anos foram peças do quebra-cabeça na solução mais ampla de Liquid Spectrum.

Estas várias peças de quebra-cabeça podem ser agrupadas em duas categorias gerais: Hardware programável e software avançado.  O software abstrai a complexidade associada às tecnologias avançadas flexíveis e à engenharia de link ótico para que as operadoras possam operacionalizar as tecnologias de próxima geração e utilizar as suas redes de uma forma muito mais dinâmica.

No hardware programável, o Liquid Spectrum inclui:

  • Nossa tecnologia ótica coherente WaveLogic Ai para permitir a capacidade ajustável
  • Nosso sistema WaveLogic Photonics, que permite uma camada fotônica de grid reconfigurável e flexível que suporta qualquer combinação de flexibilidade sem cor, sem direção e sem contenção
  • Ajuste eficiente dos serviços de cliente com a capacidade de linha através das arquiteturas de plataforma flexível encontradas em nossas plataformas 6500 e Waveserver

No software, o Liquid Spectrum inclui:

 

  • Blue Planet MCP para unificar o gerenciamento, controle e planejamento de serviços e redes, através de uma única interface
  • Novos aplicativos do software Liquid Spectrum que permitem às operadoras aproveitar melhor a sua rede. Com o lançamento inicial das aplicações, o valor pode ser a visibilidade em tempo real do desempenho da rede que permite a otimização proativa do sistema (Performance Meter), uma maneira muito mais simples e rápida de aumentar os comprimentos de onda (Bandwidth Optimizer), maior disponibilidade de serviços (Liquid Restoration) Ou automação de provisionamento de serviços em redes de vários fornecedores (Wave-Line Synchronizer).
  • APIs abertas e modelos de dados modernos para permitir uma melhor telemetria e medição da rede em tempo real.

Consistência em um ambiente em constante mudança

Todas essas peças do quebra-cabeça se combinam para simplificar drasticamente a forma como as redes óticas são projetadas, construídas e operadas, permitindo que os sistemas sejam escaláveis para atender às demandas de largura de banda significativas de hoje, bem como abertura e programabilidade para oferecer o desempenho ideal de serviço requerido em qualquer momento.

E são essas capacidades as que agora são uma exigência no mundo atual em constante evolução e sob demanda. Não é possível prever o impacto na rede das aplicações que ainda não foram inventadas, os padrões de tráfego decorrentes de aplicativos de realidade virtual ou aumentada ou os bilhões de dispositivos que ainda não foram conectados, nem as implicações totais da evolução para 5G. O que é certo nas redes atuais é que a demanda por largura de banda em qualquer local é dinâmica e fluida e vai mudar à medida que novos dispositivos e aplicativos de usuários finais entrarem no mercado.

É um mundo novo, com novas regras. Liquid Spectrum está recriando a ótica para um mundo sob demanda.