A NFV desassocia as funções de rede dos dispositivos de hardware dedicados e as transfere para servidores virtuais, que consolidam várias funções em um único servidor físico. Essa abordagem reduz custos e a necessidade de visitas de instalação e manutenção no local, pois os dispositivos virtuais substituem os dispositivos de rede dedicados de hardware.

Os administradores de rede lidam com funções de orquestração e administração por meio de um sistema operacional que coordena os dispositivos virtuais em execução na rede. Assim como as máquinas virtuais, os dispositivos virtuais podem ser selecionados e implantados com base nas necessidades da rede.

NFV replaces expensive dedicated network hardware with simple software appliances.

Se o cliente precisar adicionar uma nova função de rede, o provedor de serviços poderá simplesmente utilizar uma nova máquina virtual para executar essa função. E com a mesma facilidade que foi utilizada, a função de rede pode deixar de sê-lo quando não for mais necessária.

Por exemplo, em vez de implantar um novo dispositivo de hardware na rede para permitir a criptografia, o provedor pode implantar o software de criptografia em um servidor padronizado ou um switch já presente na rede.

Essa virtualização das funções de rede diminui a dependência das operadoras de rede em relação ao hardware dedicados. Isso também melhora a escalabilidade, a utilização de recursos (pois uma máquina virtual pode ser liberada para uso por outro aplicativo quando o dispositivo de software que estava em execução naquela VM (máquina virtual) não for mais necessário) e a personalização em toda a rede. O NFV não deve ser confundida com a rede virtualizada, pois o NFV, como conceito tecnológico, pretende descarregar apenas funções de rede, e não toda a rede. Também é importante observar que a NFV é diferente da VNF (Funções de Rede Virtualizadas), um termo geralmente usado para descrever uma função de rede que está em execução no software em uma VM, conforme descrito anteriormente.

A NFV tem várias vantagens importantes, como:

  • Menos espaço necessário para hardware de rede
  • Menor consumo de energia na rede
  • Custo de manutenção de rede reduzido
  • Upgrades de rede mais simples e fáceis

A infraestrutura de TI é virtualizada há anos. A rede é o próximo passo, pois as operadoras querem acompanhar as mudanças tecnológicas. Os aplicativos estão exigindo muita largura de banda, flexibilidade e velocidade das redes. No entanto, a ampliação das redes para comportar picos de cargas de tráfego está além do alcance da maioria das operadoras, pois é cara demais. Ao mesmo tempo, não é realista comprar hardware específico para um único aplicativo e depois realizar engenharia, configuração e esperar que ele funcione de 8 a 10 anos ou mais, para garantir que o ROI seja viável. A NFV, com programabilidade usando controle de software, fornece maior agilidade e controle da rede e de suas funções principais.
Graças à Lei de Moore, as funções de rede, que antes eram viáveis somente com hardware e software altamente personalizados, agora podem ser completamente implementadas no software. Isso altera drasticamente o cenário de redes para operadoras e provedores.

Considere um banco com várias falhas. A NFV reduz imediatamente as despesas de capital, pois as compras de hardware dos bancos são de baixo custo, menos frequentes e em menor quantidade. Ao mesmo tempo, a NFV reduz as despesas operacionais em virtude de espaço físico e consumo de energia menores.
Em vez de custos de capital de hardware, o banco paga apenas taxas de licenças para os dispositivos virtuais das agências. Então, à medida que o negócio muda (talvez por conta de mudanças nos hábitos dos clientes, da localização das agências ou da adição de novos serviços bancários), o banco pode aumentar ou reduzir a escala de sua rede implantando apenas os serviços de rede necessários a qualquer momento.

A NFV faz parte de uma transformação na forma como o hardware e o software de rede operam e interagem. Junto com a SDN, a NFV cria um ambiente repleto de recursos de automação e programabilidade. A NFV também apresenta às operadoras e aos provedores de serviços a oportunidade para implementar uma infraestrutura de rede mais centrada no cliente, capaz de se adaptar dinamicamente às suas necessidades e exigências. Grandes operadoras de rede estão adotando a NFV graças à sua programabilidade e padrões abertos. Além disso, elas ficam livres de estruturas proprietárias de fornecedores de rede.