O mercado de Interconexão de data centers (DCI) está evoluindo rapidamente e novos dispositivos modulares e compactos foram introduzidos para ajudar as operadoras a implantarem de forma fácil e rápida novas capacidades para acompanhar a demanda.  Mas, como diz o ditado, “quanto mais as coisas mudam, mais elas permanecem as mesmas”.  Então, o que há de novo na DCI e o que não mudou no ano passado?

Uma coisa que não mudou é a necessidade de mais capacidade de interconexão.  O crescimento da largura de banda para interconexão ainda está aumentando e crescendo rapidamente.   Até 2020, prevê-se que a largura de banda para interconexão aumente até 5.000 Tbps, com taxas de crescimento de dois dígitos em uma variedade de segmentos do setor, que vão da Nuvem e IT até Serviços de saúde e Energia1. Todos estão preparados para experimentar um grande aumento da capacidade nos próximos anos, o que significa que muitos dos mesmos desafios do ano passado ainda existem.

As operadoras são desafiadas a acompanhar a crescente demanda e oferecer conteúdo e/ou serviços globalmente.  Elas também precisam da automação para acelerar a ativação da largura de banda e melhorar a qualidade da experiência de seus clientes.  Os custos operacionais permanentes também continuam sendo um desafio, com a necessidade de reduzir o consumo de energia e o espaço físico.

O setor respondeu com novas soluções compactas, modulares e altamente escaláveis para ajudar as operadoras de rede a expandir facilmente a capacidade da DCI.  Essas soluções, como a família Waveserver da Ciena, oferecem uma maneira de atender às crescentes necessidades de largura de banda das aplicações e serviços na nuvem e over-the-top mais exigentes, para que as operadoras possam oferecer experiências superiores aos clientes finais e aumentar sua diferenciação competitiva.

Se a necessidade insaciável por largura de banda permaneceu a mesma, o que mudou? 

Surgiram novos requisitos que estão expandindo o espaço das aplicações para a DCI e incentivando a necessidade de eficiência e operações aprimoradas em outras camadas da rede. 

  1. Mais abertura:  as plataformas devem oferecer compatibilidade com APIs abertas para facilitar as iniciativas de integração de back-office, no entanto, isso já não é suficiente.  As operadoras querem acesso a mais dados da rede por meio do streaming de telemetria.  Os requisitos também estão surgindo para novas arquiteturas de software que permitem a instalação de componentes de software específicos de fornecedores ou de terceiros que otimizem as soluções para qualquer aplicação DCI.

  2. Maior informação sobre a integridade da rede:  além de mais acesso a informações e dados por meio do streaming de telemetria, as operadoras precisam de ferramentas inteligentes para analisar os dados e notificar os problemas potenciais na rede antes que eles ocorram.

  3. Melhor eficiência de rede:  as aplicações DCI corporativas e de governo/P&E tendem a ter requisitos de capacidade mais baixos, porém, precisam de agregação e comutação de pacotes para melhor preencher os comprimentos de onda para o transporte na rede DCI.  Isso incentiva a necessidade por soluções que integrem coerência e pacotes, como a 8180 Coerent Networking Platform da Ciena.

  4. Escala e simplicidade de camada fotônica:  embora as soluções modulares e compactas abordem amplamente a escala para a funcionalidade transponder/muxponder, a camada fotônica ainda apresenta muitos dos mesmos desafios para a DCI vistos anteriormente.  Os data centers de hiperescala consumirão milhares de pares de fibra nos próximos anos, portanto, soluções altamente escaláveis são desejáveis para a camada fotônica em termos de graus nodais e suporte para add/drop sem cor.  O 6500 Reconfigurable Line System (RLS) da Ciena foi projetado para essa finalidade.

Confira este webinar da IHS, Redes escaláveis para interconexão de data center, para saber mais sobre o cenário da DCI, os desafios atuais e as soluções que estão surgindo para abordá-los. Registre-se aqui

  1. Equinix. “Global Interconnection Index.” Vol. 1, 2017.