Carpinteiros e construtores sabem que, se você cortar madeira de maneira inadequada, a peça ficará inutilizável. Assim, o ditado, “medir duas vezes e cortar uma vez” , alerta sobre o planejamento e preparação requeridos para fazer algo de maneira cuidadosa e completa antes de agir: um ótimo conselho!

Conforme as operadoras de cabo respondem à serviços tais como vídeo em definição ultra-alta (UHD) ou transmissão 4K, dados com velocidade ultra-alta (HSD), vídeo de alta definição (HD) e inúmeros dispositivos IP interconectados, a sede por demanda só pode ser satisfeita levando a óptica mais fundo em sua infraestrutura de rede a cabo coaxial HFC (Hybrid Coaxial Cable).

E, embora cometer um erro no corte de um pedaço de madeira custará algum tempo e dinheiro, cometer o erro de posicionamento inadequado da fibra pode ser catastrófico para as operadoras de cabo.

Desenhando redes de cabo com topologia em árvore para atendimento a site de cliente
No início, as redes de cabo eram construídas com uma topologia em árvore com ramos chegando ao cliente final ou topologia compartilhada, com transmissão unidirecional. A infraestrutura de acesso a cabo foi projetada para ser semelhante, independentemente de onde você estivesse, com o número mínimo de dispositivos inteligentes ativos e caros. Existem três seções para árvore para acesso ao cliente final:

  1. Tronco
  2. Distribuição
  3. Descida

Os cabos coaxiais de tronco foram usados para conectar os cabos de distribuição, depois para um cabo de descida e, finalmente, para o cliente. Cada uma dessas seções foi conectada usando dispositivos coaxiais de radiofrequência (RF), incluindo amplificadores de tronco e distribuição, acopladores direcionais e taps.

Desenho de redes de cabo com topologia de HFC
Na era do HFC, as seções de troncos e algumas distribuições foram substituídas por nós de fibra, o que melhorou consideravelmente a capacidade e a operação.

Topologia de cabo HFC

Ao longo dos anos, as redes HFC têm sido o facilitador para serviços bidirecionais sofisticados, porém, novos desenvolvimentos tecnológicos dentro do setor de cabos estão transformando a arquitetura de cabos existente em um condutor interativo de última geração. Até o ponto em que as operadoras de cabo estão presas entre duas grandes preocupações:

  1. Aumento dos custos operacionais e de manutenção da planta externa, o que afeta negativamente o crescimento do fluxo de caixa
  2. Preparação da infraestrutura de rede para novos serviços, reduzindo o tempo de lançamento ao mercado do produto

O ciclo de vida do HFC está chegando perto do ponto de ruptura, já que a demanda do usuário final e os serviços competitivos como o Over-the-Top (OTT) estão enfatizando a parte HFC do ecossistema da operadora de cabo. Ao mesmo tempo, as operadoras de cabo estão repensando o headend, pois o tráfego de vídeo continua se expandindo em toda a rede MSO.

Cable ecosystem consumption models have fundamentally changed.

Desenhando redes de cabos que levam a fibra mais próxima ao cliente
Penetrar ainda mais a fibra na rede HFC tem dois efeitos significativos para o tronco de fibra, o sistema de distribuição coaxial e a descida ao cliente no ecossistema da operadora de cabo.  Primeiro, levar o nó de fibra para mais perto do cliente permite reduzir o tamanho do grupo de serviço ou número de residências acessadas via cabo apartir de cada ponto de acesso da fibra, eliminando os amplificadores coaxiais caros e com alto consumo de energia. Em segundo lugar, e talvez ainda mais importante, as operadoras de cabo podem aproveitar sua fibra existente adicionando a multiplexação DWDM (Dense Wave Division Multiplexing). A DWDM é uma tecnologia de fibra ótica que permite vários comprimentos de onda, cada um operando com taxas de bits muito altas sobre a mesma fibra óptica.

Com a eliminação de todos os elementos ativos (por exemplo, amplificadores, inserções de energia, etc.), redução do tamanho do grupo de serviços, uso de cabo coaxial passivo e DWDM, os gastos operacionais e o investimento podem ser reduzidos significativamente e, ao mesmo tempo, as preocupações de capacidade e acesso podem ser solucionadas.

Topologia fiber deep

Ainda mais importante, os custos de atualização para penetrar ainda mais a fibra na rede são relativamente baixos, já que o cabo coaxial de banda larga para a residência já está instalado, tornando o investimento total em tecnologia de banda larga/digital mais barato para a operadora de cabo do que para os concorrentes.

Planejar, planejar e mais planejamento
As operadoras de cabo estão acostumadas a atualizações significativas em sua infraestrutura de rede e vêm fazendo isso muitas vezes nas últimas duas décadas. Expandir a fibra com maior profundidade levará tempo e esforço consideráveis com decisões informadas, deliberadas e ponderadas das operadoras de cabo para reduzir o tempo de inatividade do cliente ou impactar a receita do serviço.

Mais fibra que aproveite a DWDM precisará ser instalada, pois os nós de fibra são colocados em ramificações mais curtas. A redução de ramificações a cabo, por assim dizer, em grupos de serviços menores precisará ser projetada para o aumento futuro da largura de banda, dividindo cada uma das ramificações menores dentro de um orçamento de alcance óptico planejado para 100 GbE, mas começando apenas com 10 GbE.
A boa notícia é que a tecnologia óptica digital é relativamente livre de manutenção e amadureceu para ter uma abundância de recursos prontamente disponíveis e econômicos para ajudar.

Ainda assim, as operadoras de cabo precisam continuar medindo duas vezes (ou três vezes!) e cortar uma vez para economizar tempo e dinheiro no que se refere à rede de árvores e suas ramificações.