Provedores de serviços na América Latina já estão trilhando seu caminho exclusivo para o 5G

CALA+Customer+Plans+for+5GEntrevistamos os participantes e descobrimos que muitos provedores de serviços na região CALA já estão pensando em como evoluir para o 5G. 

Quando questionados se estavam se planejando para o 5G, 21% dos entrevistados responderam que já se encontram em estágios avançados de planejamento, enquanto 64% dos participantes indicaram que estão começando a planejar ou já estão em fase de planejamento.  Isso não é surpreendente, pois se alinha com as previsões de mercado da região CALA discutidas na Parte 1 do Workshop virtual 5G da região CALA (CALA 5G Virtual Workshop series)

Responses+to+Where+will+you+start+your+5G+Network+PlanningTambém perguntamos aos clientes como eles estavam abordando o planejamento de suas redes 5G. A maioria dos clientes, 55%, respondeu que planeja iniciar suas atualizações de rede 5G na infraestrutura de acesso e agregação. Isso faz sentido, já que a divisão 5G e a virtualização da BBU (Baseband Unit) na DU (Distributed Unit) e na CU (Centralized Unit) causarão o impacto mais imediato nas partes de acesso e agregação da rede. Isso também cria a necessidade de novas redes de transporte fronthaul e midhaul baseadas em Ethernet com novos requisitos relacionados a baixa latência, network slicing e sincronização de alta precisão. 

Perguntas mais frequentes do nosso público:

Ficou claro que os participantes do Workshop virtual 5G da região CALA já estavam se informando sobre a tecnologia 5G e fazendo muitas perguntas interessantes. Aqui compartilhamos algumas das perguntas mais populares e suas respostas. 

P:  o 5G deve substituir as gerações anteriores (2G/3G/4G) de serviços móveis?

R:  não. Mesmo que o 5G cresça mais rápido em outras partes do mundo, o 4G não vai desaparecer tão cedo; na verdade, o 4G também continuará crescendo, à medida que os provedores migrem dos serviços 2G e 3G mais antigos.  De acordo com o relatório The Mobile Economy 2020 da GSMA, o 4G na América Latina deve crescer de 47% em 2019 para 67% em 2025, conforme a adoção de smartphones aumente para 79% até 2025.  No caso da América Latina, ainda existe um grande número de assinantes 2G e 3G. O cenário mais provável é que as redes móveis suportem simultaneamente 2G, 3G, 4G e 5G. É por isso que o network slicing, a FlexEthernet (FlexE) e a automação inteligente orientada por dados são tão importantes para garantir o uso ideal dos ativos da rede novos e existentes.

Chart+from+GSMA+Intelligence%2C+The+Mobile+Economy+2020%2C+March+2020

P: o que é O-RAN e por que é importante?

R:  a O-RAN Alliance liderada por operadoras definiu uma arquitetura aberta e interfaces padronizadas que são a base para arquiteturas de rede móvel de próxima geração. A O-RAN fornece uma especificação de fronthaul alternativa aberta para a eCPRI. É importante observar que o transporte baseado em Ethernet de baixa latência é necessário para suportar as interfaces fronthaul 5G eCPRI e 5G O-RAN. É possível implementar sua infraestrutura fronthaul que não suporta à O-RAN, mas você não terá a capacidade de implementar um ecossistema aberto e selecionar qualquer fornecedor, o que significa que o custo total de propriedade (TCO) de sua rede provavelmente será mais alto. 

P: qual é a diferença entre hard slicing e soft slicing, e como isso se compara com a SD-WAN?

R: o soft slicing é uma “fatia” de rede compartilhada e lógica que é diferenciada e priorizada pela QoS. Exemplos de soft slicing são IP-VPN com engenharia de tráfego (RSVP-TE, Segment Routing, etc.). O hard slicing é quando uma slice de rede é dedicada (não compartilhada), fornecendo uma QoS mais rigorosa, quando necessário, do que o soft slicing. Exemplos de hard slicing são a FlexEthernet e a OTN. Embora a SD-WAN seja usada como uma tecnologia de sobreposição para fornecer serviços corporativos com redes IP e de banda larga existentes, ela não fornecerá slices de rede para casos de uso 5G. É importante observar que os roteadores legados existentes provavelmente não oferecem suporte ao hard e soft slicing. 

P: os casos de uso 5G exigirão o Soft Slicing com Segment Routing e Hard Slicing com FlexEthernet?

R: sim, dependendo do caso de uso 5G suportado. A network slicing com FlexEthernet suportará casos de uso 5G com requisitos de desempenho ponta a ponta muito rigorosos. O soft slicing com Segment Routing oferecerá suporte a casos de uso 5G com requisitos de desempenho ponta a ponta menos rigorosos.

Casos de uso 5G, como ultra-reliable Low-Latency Communications (por exemplo, jogos, veículos autônomos) e massive Machine-Type Communications (por exemplo, IoT industrial) exigirão desempenho de serviço de ponta a ponta fornecido pelo hard slicing. Os casos de uso 5G relacionados à enhanced Mobile Broadband (por exemplo, streaming de vídeo) exigirão requisitos de desempenho de ponta a ponta fornecidos por soft slicing. Portanto, dependendo do caso de uso, o soft e hard slicing serão necessários para maximizar as oportunidades de negócios que gerem receita.

P: é possível integrar componentes do Blue Planet, como ROA, MDSO, UAA, etc. com soluções de outros fornecedores?

R: sim! Ser capaz de criar um ecossistema SDN aberto, para implementar com sucesso recursos 5G, como network slicing ponta a ponta em um ambiente de vários fornecedores e vários domínios, é obrigatório. Interfaces abertas e baseadas em padrões, sempre que possível, facilitam a implementação de serviços 5G. O Blue Planet fornece APIs abertas North-to-South (ex. OSS/BSS, controladores SDN) e também East-to-West (ex. análise, PCE)

Dicas e ferramentas que você pode usar agora:

Sua infraestrutura existente não suportará os casos de uso 5G novos e emergentes. Muitos novos casos de uso 5G exigem conectividade de baixa latência, a qual é habilitada por meio do aproveitamento de redes baseadas em Ethernet de baixa latência com suporte a interfaces eCPRI/O-RAN de 10/25 GbE do lado UNI (User-Network Interface) com 100/200/400 GbE no lado de acesso e agregação, que deve suportar os requisitos do network slicing. 

Descobrimos que os clientes na América Latina estão cientes de que agora é o momento de começar a atualizar a infraestrutura para construir a base certa para a convergência do tráfego da rede móvel e permitir novas oportunidades de geração de receita 5G. Gostaria de deixá-lo com um rápido mapa para ajudar a ilustrar várias maneiras como você pode começar a construir a base adequada, à medida que suas redes existentes hoje sejam expandidas, e seu caminho exclusivo rumo ao 5G seja traçado.

5G+Change+Drivers