Espera-se que o mundo 5G seja omniconectado: um nexo de colaboração interativa global entre sistemas cibernéticos, humanos e máquinas. As arquiteturas antiquadas em jogo nos atuais sistemas de telecomunicações na nuvem, construídas principalmente para consumo humano, serão seriamente desafiadas por esse cenário de usuários amplamente diverso. Este artigo examina como as matrizes auto-otimizáveis, que formam um sistema nervoso para o mundo das coisas inteligentes interconectadas, podem ajudar a enfrentar os principais desafios da era 5G.