Nesse esforço, elas estão aproximando as tecnologias digitais dos assinantes, adotando tecnologias de virtualização e empregando abordagens como headends rearquitetados como data center (HERD), que é uma adaptação do escritório central de telecomunicações rearquitetado como data center (CORD) para o mercado das MSOs.

A nova abordagem "fiber deep" sustenta esse novo esforço. Representa uma grande parte da próxima geração de cabos, que aproxima mais a fibra do usuário final e proporciona uma melhor experiência ao cliente.



Por que as MSOs estão optando pela fiber deep?

O cabo coaxial não vai desaparecer tão cedo, mas o estendido entre os postes será cada vez menor. Isso porque a fibra está penetrando ainda mais na base de assinantes. As MSOs estão optando pela fiber deep para escalar e liberar-se das tecnologias de radiofrequência herdadas.

Estas são as razões pelas quais as MSOs estão instalando a fiber deep:

  • Serviços de Internet mais responsivos: O conteúdo em cache, que fica a centenas ou até milhares de quilômetros de distância do usuário, está no centro da Internet moderna. Os dados que precisam percorrer longas distâncias para ir de um servidor até um cliente podem resultar em um mau desempenho e em uma experiência ruim para o usuário. Isso está começando a mudar à medida que os headends do cabo se transformam em mini data centers. Há uma vantagem distinta para os clientes de cabo durante essa mudança: o conteúdo está a apenas um quarteirão e não a meio continente de distância, em um data center remoto. A física simples envolvida na movimentação de dados à velocidade da luz significa que a proximidade melhora a capacidade de resposta e a qualidade do serviço. O headend do cabo, outrora simples, que por muitos anos entregava conteúdo básico de vídeo sob demanda, está se transformando para aproximar ainda mais o conteúdo dos assinantes.

  • A redefinição da borda da rede: A Netflix tornou-se uma pioneira quando colocou os servidores perto do acesso à Internet para obter uma capacidade de resposta quase em tempo real. A Fiber Deep toma como referência essa abordagem e melhora ainda mais o desempenho, oferecendo mais largura de banda e otimizando o armazenamento em cache.

    Para melhorar a latência e fornecer uma plataforma para agregação de vídeo, as MSOs podem usar a fiber deep para mover o conteúdo para mais perto do usuário final. A fiber deep também permite que as MSOs reduzam os custos de manutenção e o consumo de energia, melhorando a largura de banda disponível.

  • A convergência da nuvem e do transporte: À medida que se aproxima do usuário, a nuvem leva o cabo até o bairro. Ser capaz de oferecer serviços mais próximos dos clientes se traduz em maior rapidez e qualidade. O aumento contínuo do consumo de vídeo não acabará tão cedo. A única certeza é que picos inesperados e repentinos de demanda acontecerão. Isso testa os reflexos das MSOs; para manter os clientes satisfeitos, elas precisam reagir rapidamente às necessidades e diferenciar-se dos concorrentes com uma experiência de usuário incomparável. A fiber deep posiciona os arquivos de dados próximos do usuário, para que os consumidores fiquem satisfeitos com os dados prontos num piscar de olhos. Ao mesmo tempo, as operadoras não são mais o elo fraco na cadeia de valor da entrega de vídeo.

As empresas de cabo estão se transformando em ritmo muito acelerado. Em poucos anos, elas serão irreconhecíveis. Para se anteciparem, as MSOs estão desmembrando a programação e agora oferecem pacotes OTT. Permanecer nesse nível de inovação exigirá uma arquitetura melhor e mais flexível que as ajude a se diferenciarem. Ganhos operacionais, como disponibilidade da rede aprimorada e menor dependência da rede elétrica externa, são as principais vantagens da mudança para a fiber deep. A razão mais clara é simples: os clientes são melhor atendidos no quarteirão ou na cidade do que em um headend e data center centralizados a meio continente de distância.

Por que as MSOs optam pela Ciena

O portfólio de produtos da Ciena ajuda as MSOs a aproximar a fibra dos assinantes.

A 8700 Packetwave® Platform, um switch de pacotes multiterabits Ethernet-over-DWDM programável, atende à crescente necessidade de agregar e comutar eficientemente grandes quantidades de tráfego de pacotes, garantindo, ao mesmo tempo, SLAs (Acordos de nível de serviço) rigorosos. A 8700 revoluciona o capex e o opex dos serviços de 10 GbE e 100 GbE em redes Ethernet metropolitanas e regionais.

Construída do zero para ser totalmente programável, a 8700 permite que as operadoras de rede metropolitana migrem as redes estáticas existentes para redes dinâmicas sob demanda. A 8700 trabalha em conjunto com o Blue Planet V-WAN da Ciena e o software Blue Planet MCP (Manage, Control and Plan) , que fornece operações ponta a ponta do ciclo de vida e gerenciamento de pacotes e redes óticas da Ciena, incluindo comissionamento de equipamentos, provisionamento de serviços, garantia e monitoramento de desempenho. Além disso, a 8700 oferece um caminho de migração suave para uma arquitetura SDN totalmente aberta que permite a conectividade de desempenho sob demanda. A 8700 foi reconhecida pela BTR Diamond Technology Review com cinco diamantes. A plataforma também foi a Vencedora do Diamond Technology Review Innovation Award (Prêmio de inovação em tecnologia da Diamond Technology Review).

Além disso, o Waveserver® da Ciena permite uma expansão mais rápida na web. O sistema de interconexão empilhável e sua facilidade de uso permitem a adição de múltiplos terabits de capacidade em minutos. Adicionalmente, a família 6500 da Ciena, a qual pode ser ajustada para lidar com o tráfego que afetaria a maioria dos sistemas, também reduz os hubs, levando o conteúdo para mais perto do usuário.